Cuidados Integrativos

Histórico

O Curso de Cuidados Integrativos foi criado pela Profª Drª Sissy Veloso Fontes, em 2009, tendo como objetivo integrar profissionais da área de saúde, educação, administração e afins para atuarem em qualquer ambiente com uma consciência ampliada de saúde, exercendo alteridade e transdisciplinaridade, promovendo bem estarbiopsicossocial, espiritual e ambiental.

Visite o site: http://www.unifesp.br

Termo, Conceitos e Visões de Cuidados Integrativos

O termo Cuidados Integrativosaplicado no Curso de Especialização Teorias e Técnicas para Cuidados Integrativos, no Ambulatório de Cuidados Integrativos e no Programa de Extensão (social e de pesquisa) em Cuidados Integrativos da UNIFESP consiste em um “novo paradigma” que associa conhecimentos orientais milenares e gregos arcaicos, sabedoria de povos nativos e avanços tecnocientíficos ocidentais modernos promovendo a interface entre, além e através dos eixos “Saúde e Educação” visando cuidar de toda a natureza em geral, onde está incluso, faz parte a natureza humana em toda a sua multidimensionalidade; onde a totalidade é manifesta no ato de CUIDAR COM AMOR (Fontes SV, 2014).

A Saúde Transdimensional e a Educação Transdisciplinar são, em essência as bases conceituais dos “Cuidados Integrativos”, considera-se a prática dos cuidados integrativos em saúde de per si, um processo de educação em “BEM SER”; e, em educação de per si um processo de saúde em “BEM VIVER”. Os Cuidados Integrativos é, portanto, uma prática de saúde e educaçãoALICERÇADA EM VALORES UNIVERSAIS”, éticos (modo de ser) e morais (costumes) com método, teorias e técnicas e, habilidades próprias (Fontes SV, 2014).

Cuidados Integrativos”, no sentido metafórico é ESPAÇO, é FLUIDO, é FORMA de saberes e vivências que interagem entre, além e através; ora convergindo, ora divergindo; ora expandindo, ora contraindo; ora se aproximando ora se repelindo como ”partículas subatômicas” que constituem “uma unidade – humanidade”, A SERVIÇO DO PROPÓSITO MAIOR  (Fontes SV, 2014).

Essa indissolubilidade entre a saúde, com uma visão sistêmica, cujo preceito antropológico é, minimamente pentadimensional e a educação, alicerçada na visão transdisciplinar, cujo modelo de ensino admite, a partir do lugar do 3º. incluído os diferentes níveis de realidade e a complexidade propicia NOVA TOMADA DE CONSCIÊNCIA DO SABER, DO SENTIR E DO FAZER, com base no “SER QUE CUIDA DE SI, DO OUTRO E DO PLANETA” (Fontes SV, 2014).

Pilares Pedagógicos de Cuidados Integrativos

São 3 (três) os pilares pedagógicos que sustentam a epistemologia dos Cuidados Integrativos®:

  • O AUTOCONHECIMENTO (sujeito com ele mesmo) – inclui-se processos facilitadores para: a corporeidade coerente (a maneira saudável pela qual percebe, reconhece e utiliza o corpo na relação consigo mesmo e como instrumento relacional com o mundo), a consciência ampliada (o desvelar operacional de modo estruturado dos conteúdos inconscientes pessoal, coletivo e, das possíveis experiências do numinoso), e o religare genuíno (reconhecer como verdade absolutaa presença do sagrado na vida, o caminho pessoal de transcendência e ou imanência, a conexão supramental, que pode ou não utilizar como instrumento a filosofia, a religiosidade, ou a contemplação) (Fontes SV, 2014);
  • A ALTERIDADE (sujeito com o outro) – estimula-se o exercício de práticas interrelacionais comportamentais includentes e coerentes que visem aceitação às diferenças interpessoais, interespécimes, interobjetais, interambientais e intertemporais, sejam nos âmbitos transsocioeconômico, transcultural e ou transreligioso/filosófico (Fontes SV, 2014);
  • A TRANSDISCIPLINARIDADE (sujeito com o todo) – implementa-se a utilização de 3 atitudes fundamentais para a prática, o ensino e a pesquisa: o  rigor (semelhante ao rigor científico, mas que inclui - ao “corpus de conhecimento científico” o conhecimento vivo (a experiência vivenciada) - é considerado mais aprofundado por considerar não só as coisas, mas os seres, e a relação entre as coisas e os seres; a abertura (é o saber lidar com o desconhecido, inesperado, imprevisível ; a tolerância (é a constatação - sem resistência - da existência de ideias opostas aos princípios utilizados, que são úteis no reconhecimento do todo). Pode-se inferir, então que atitude transdisciplinar consiste na capacidade individual (garante uma afetividade crescente que assegura a ligação entre nós e nós mesmos) ou social (garante uma efetividade crescente de ação no mundo e na coletividade) para manter uma orientação constante e focada, em qualquer que seja a complexidade de uma situação e dos “acasos” da vida. Assim, a harmonização entre o espaço exterior da efetividade e o espaço interior da afetividade promove o acordo entre o Sujeito e o Objeto Transdisciplinares (Fontes SV, 2014).

PerCurso em Cuidados Integrativos

O PerCurso da educação/saúde dos Cuidados Integrativos, seja em relação ao aprendizado de Cuidar de si, do outro e do planeta tem-se, como referencial o paradigma “Salutogênico” (foco na habilidade e não na deficiência); utiliza-se operacionalmente do “Senso de Coerência” (habilidade de mobilizar recursos de força, resistência ou potência, capacidade de enfrentamento ou coping mediante situações adversas inerentes à vida) e; comunga a ideia de que “Ninguém cura – (cure) ninguém”, de que “todos apenas podem ser facilitadores ou, infelizmente inibidores do processo de cura (cure) do outro”, e de que “somente você tem o poder de curar a sim mesmo”, seja em relação à prática da cura ”HEALING” está inserido na aplicabilidade das seguintes sentenças: “Conhece-te a ti mesmo”; “Ama a si próprio, aos outros e ao mundo, aceitando cada um deles como verdadeiramente são”; “Viva a natureza de sua essência imortal”.

Preceitos dos Cuidados Integrativos

Os Preceitos dos Cuidados Integrativos® - de acordo com o aforismo que se encontra em Epidauro (maior centro de cura da Grécia arcaica, que a humanidade tem notícia) são: “Quem não ama adoece”,  ou “Adoece quem foge ao seu destino”, ou ainda, “Está em desarmonia quem não está cumprindo a nobre missão de vida, a que veio ao mundo”, o que não significa se fechar um prognóstico ou estagnar-se onde está e, sim a partir daí, do que conhece de si, evoluir como ser, metamorfosear-se, ou seja, como os antigos diziam: partir daqui mais evoluído do que quando chegou; chamavam os antigos de “EVOLUÇÃO DA ALMA”.

Missão

Estimular ações de assistência, ensino e pesquisa, por meio de mecanismos naturais, promoção de saúde, bem estar, prevenção de agravos e recuperação da saúde, em um processo de integração do ser humano multidimensional (corpo, mente e espírito) na convivência social afetuosa e ecologia sustentável.